julho - 12 - 2016 | comente

Bom, nem preciso dizer que essa segunda gestação está bem mais corrida que a primeira, né? Cadê meu tempo para ler, meditar e me inspirar para escrever posts delícia aqui para vocês? kkkk…. confesso que está difícil com o trabalho, casa, filha pequena, marido, gravidez etc etc etc. E faz um tempão que quero escrever para contar para vocês uma coisa que acho que pode ajudar muita gente!

Não costumo ficar reclamando das coisas aqui de casa nas redes sociais, então talvez muitos de vocês não saibam que a Mariana começou a dormir a noite inteira (algumas noites rsrsr) só agora, depois de 1 ano e meio. Ainda acorda muitas e muitas noites, mas melhorou muito. Lógico, a privação de sono não é agradável para ninguém, certo? Nem para as mães, nem para os pais e nem para as próprias crianças, afinal elas se beneficiam demais de boas horas de sono.

Tentei um pouco de tudo, menos deixar chorando. Na verdade, acredito que cada criança já nasce com o seu ritmo e personalidade e que não dá para querer enquadrar tudo na rotina que imaginamos ser a perfeita. Algumas coisas vão ser como são e ponto final. Claro, eu sei dos benefícios da rotina e sempre tentei com toda a minha energia estabelecer uma, mas nunca consegui estabelecer definitivamente um horário para soneca, por exemplo, nem hora exata de dormir à noite. Desde que nasceu a Má é super atenta, observa tudo que acontece ao seu redor, quer participar de tudo e ama gente. Quanto mais gente e bagunça em volta dela, melhor. Luta bravamente contra o sono e isso é sério: desde que nasceu! As fotos dela, ainda na maternidade, são todas de olhos abertos. Ela não era aquele recém-nascido que dormia o dia inteiro. Ela tirava pequenos cochilos de 10, 15, 20 minutos. E acordava à noite. E repito, eu tento estabelecer horários de soneca e de dormir à noite, sigo toda uma rotina e tal, mas é praticamente regra ficar mais de uma hora tentando fazê-la dormir. Ela senta, pede tetê, pede Peppa, papai, vira para um lado, vira pro outro, reclama, chora… e depois de tudo isso ainda tem vezes que é melhor simplesmente desistir. À noite não desisto, mas de dia sim, algumas muitas vezes. Deixo acordada e aí ela dorme mais cedo.

Bom, mas vamos ao que interessa! Depois de tentar de tudo um pouco, inclusive fórmulas antroposóficas (resumidamente, medicamentos naturais que levam em consideração o todo), vi que a Lia, uma amiga querida que faz comidas naturais e integrais maravilhosas aqui em Piracicaba, estava agora trabalhando com florais. Resolvemos fazer uma troca: eu daria para ela sessões de Kabbalah e ela me daria consultas de florais. A princípio, para a Mariana dormir melhor. Porém, logo na primeira consulta, prestamos atenção ao fato que o comportamento e estado emocional dos pais (e especialmente da mãe) influencia no comportamento dos bebês, principalmente até os 2 anos de idade. Então eu tinha problemas? Claro! Sempre temos hahahaha…. Eu sou super agitada, faço um milhão de coisas ao mesmo tempo e quero fazer tudo perfeito. O Marcelo também é mentalmente super agitado e preocupado – qualquer tossinha da Mariana no meio da noite ele levanta num pulo, mesmo que seja para olhar pela babá eletrônica, ver que está tudo bem e voltar a dormir. Fizemos um floral específico para mim e um para a Mariana, depois de uma consulta detalhada falando sobre nós, personalidade, relacionamento, dia a dia…

Fiquei impressionada com os resultados rápidos: logo no primeiro dia eu me senti mais calma e centrada. E a Mariana dormiu melhor. Essa melhora acabou sendo atrapalhada por períodos de vacina, doencinhas chatas de criança, mais dentes nascendo… Mas, de forma geral, achei que ajudou muito. Estamos fazendo o “tratamento” por 6 meses e depois de um tempo achamos por bem incluir o Marcelo! De novo, senti a melhora rapidamente. Penso nos florais como uma “meditação em gotas”. É como se conseguisse obter alguns efeitos que a meditação me traz, só que tomando as 16 gotinhas de floral por dia. Claro, não substitui, mas é uma excelente alternativa para ajudar a ter efeitos rápidos e usando pouco tempo. Muito mais que recomendo, agradeço demais! Agora, uma última observação: é diferente passar por uma consulta mensal, onde tudo é avaliado e levado em consideração, e ir na farmácia e comprar um “pacotinho” por conta própria, viu? Não digo que o comprado na farmácia também não ajude, mas que é diferente é!

E vocês, já usaram florais? Compraram direto na farmácia ou passaram por consulta? Como foi? Quero saber!

Beijos, boa semana!